Matemática dos Nossos Avós - Matemática do Planeta Terra

Ir para o conteúdo

Menu principal

Matemática dos Nossos Avós

Projetos

No âmbito do projeto "Matemática do Planeta Terra", o Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e o Instituto de Estudos de Literatura Tradicional da Universidade Nova de Lisboa promovem o projecto A MATEMÁTICA DOS NOSSOS AVÓS, a desenvolver em países de língua oficial portuguesa.

Este projecto consiste na recolha de conhecimento tradicional relacionado com a matemática que se encontra nas formas geométricas que se encontram em cestaria, rendas, bordados, decorações de casas, calçada portuguesa, ou que está envolvida na construção tradicional de casas, pontes, ferramentas ou embarcações. O projecto pretende ainda identificar unidades de medida já em desuso mas que se podem recuperar e relacionar com as actuais, bem como identificar conhecimentos empíricos usados na forma de dividir terrenos agrícolas, ou de medir o tempo e o espaço. Pretende-se também recolher textos em forma de provérbio, adivinha ou lengalenga, desde que sejam de raiz popular e estejam relacionados com formas de contar ou medir.

As duas instituições esperam poder contar com a colaboração de parceiros neste projecto, de modo a poder chegar o mais perto possível de pequenas comunidades rurais, onde este conhecimento ainda não se tenha perdido. Instituições ou associações que pretendam ser parceiros neste projecto podem submeter o formulário de contacto
.


PROGRAMAÇÃO


25 DE MAIO DE 2014 | São Tomé e Príncipe
Dia de África

Incluído no programa das comemorações do dia de África (25 de Maio), os alunos das classes 9.º A e 9.º B da Escola Secundária do Príncipe, apresentaram à comunidade escolar, em especial aos alunos da 8.ª classe, o trabalho desenvolvido desde o passado ano letivo de classificação de frisos em tecidos africanos. Após a apresentação os alunos dinamizaram uma oficina prática onde exploraram com os colegas a classificação de frisos em tecidos africanos. Este trabalho foi merecedor de um prémio no concurso "Matemática, onde estás?" organizado pela Associação de Professores de Matemática no âmbito do ano Internacional da Matemática do Planeta Terra.

(NOTÍCIA)  (REGISTOS FOTOGRÁFICOS)


7 DE MAIO DE 2014 | Museu da Ciência - Coimbra | 15H00

MATEMÁTICA NAS PEDRAS

Sessão dinamizada no âmbito do projeto "Matemática dos nossos avós" (Matemática do Planeta Terra). O Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e o Instituto de Estudos de Literatura Tradicional da Universidade Nova de Lisboa convidaram uma arqueóloga que tem vindo a estudar e a divulgar tabuleiros de jogos gravados na pedra, que se podem encontrar em diversos monumentos do nosso país (e autora do livro "Tabuleiros de jogo inscritos na pedra - um roteiro lúdico português") e uma matemática que faz parte da equipa que criou recentemente um baralho de cartas com os padrões matemáticos que podemos encontrar na calçada portuguesa das ruas de Lisboa.
PROGRAMA:   
TABULEIROS DE JOGOS INSCRITOS NA PEDRA - UM ROTEIRO LÚDICO PORTUGUÊS
  
Lídia Fernandes, Museu do Teatro Romano, Câmara Municipal de Lisboa

  
A CALÇADA PORTUGUESA DAS RUAS DE LISBOA NUM BARALHO DE CARTAS
  
Alda Carvalho, Instituto Superior de Engenharia de Lisboa




14 DE MARÇO DE 2014 | Artigo - Tribuna das Ilhas - Açores
"A matemática dos antigos VI" - Artigo de Ricardo Cunha Teixeira.


28 DE FEVEREIRO DE 2014 | Artigo - Tribuna das Ilhas - Açores
"A matemática dos antigos V" - Artigo de Ricardo Cunha Teixeira.


14 DE FEVEREIRO DE 2014 | Artigo - Tribuna das Ilhas - Açores
"A matemática dos antigos IV" - Artigo de Ricardo Cunha Teixeira.


17 DE JANEIRO DE 2014 | Artigo - Tribuna das Ilhas - Açores
"A matemática dos antigos III" - Artigo de Ricardo Cunha Teixeira.


12 DE JULHO DE 2013 | Artigo - Tribuna das Ilhas - Açores
"A matemática dos antigos II" - Artigo de Ricardo Cunha Teixeira.



14 DE JUNHO DE 2013| Departamento de Matemática da Universidade de Aveiro | 14H45

"A MATEMÁTICA DOS NOSSOS AVÓS": um projeto do Ano Internacional da Matemática do planeta Terra
Carlota Simões, Universidade de Coimbra

Sessão temática dedicada à história das relações entre a Matemática e as outras ciências que contribuíram/contribuem para um melhor conhecimento do nosso planeta, apresentada durante o 26º Encontro do Seminário Nacional de História da Matemática (SNHM) (14 e 15 de junho - Universidade de Aveiro), no âmbito do MPT2013.
(REGISTO FOTOGRÁFICO)  (REPORTAGEM - LocalVisãoTV)



31 DE MAIO DE 2013 | Artigo - Tribuna das Ilhas - Açores

"A matemática dos antigos I" - Artigo de Ricardo Cunha Teixeira.



29 DE MAIO DE 2013 | Museu da Ciência - Coimbra
11H00
Actividades desenvolvidas por jovens da APPACDM para o projecto Coimbra a Brincar por Helena Albuquerque (Presidente da APPACDM) e jovens da APPACDM. O Museu da Ciência da Universidade de Coimbra e o Centro de Formação da Casa Branca da APPACDM, associam-se ao Programa “A Matemática no Tempo dos Nossos Avós”, promovendo a sessão interativa “Nos tempos dos nossos avós media-se assim…” .
A sessão foi concebida e organizada pelos formandos do Centro de Formação da Casa Branca, no âmbito das sessões de formação de “ Cidadania e Empregabilidade “ e de “Matemática para a Vida” e tem como objetivo levar as crianças participantes a explorar o modo como eram feitas as medições no tempo dos nossos avós. Na 1ª parte serão dados a conhecer os instrumentos utilizados para medir noutros tempos. Na 2ª parte as crianças serão convidadas a experimentar de forma divertida e a brincar os princípios de medição.

15H00

ETNOMATEMÁTICA

Bal Chandra Luitel, Universidade de Katmandu, Nepal

"ENTENDI QUE DENTRO DE UM QUADRADO SE PODERIA OBTER O TRAÇADO DE UM CORPO.”
: algumas notas sobre as anatomias, geometrias e matemáticas do saber-fazer de alfaiate.
João Edral,  IELT/FCSH-UNL
Dizia o mestre António Mendes Baptista que a arte da alfaiataria é a de alindar corpos deformados e revestir de aspeto elegante e delicado tipos que a natureza mutilou (s/d, Estética do Vestuário, Lisboa, Edições “Técnica de Alfaiataria”). O saber-fazer do alfaiate é o meio de, a partir das formas dos corpos (todos diferentes, todos deformados), esculpir uma “pele social” (Terence Turner) tão ajustada e robusta quanto esteticamente agradável.
A alfaiataria que conhecemos hoje sofreu, desde o século XIX, transformações profundas (e em curso) que lhe permitiram preservar um lugar social. Uma das mudanças mais significativas está relacionada com os modos de transmissão de conhecimento. Proponho então que, ao mesmo tempo que contemplamos os gestos contemporâneos do ofício de alfaiate, estudemos o (primeiro) Método de Corte Português de Fatos, de Virgílio Augusto da Silva Paulet Maia (1913).

A MATEMÁTICA ESCONDIDA NUM LIVRO DE DÉCIMAS: "Ó FALA QUE FOSTE FALA - DÉCIMAS DE JOAQUIM ESPADINHA"

Conceição Ruivo, Professora aposentada do Departamento de Física da FCTUC
A décima é uma composição poética com fortes tradições no Alentejo. É uma das artes da fala, uma poesia que vive da oralidade, frequentemente sem registo escrito. Muitos poetas fazem as décimas "de cabeça" e transmitem-nas oralmente, numa toada com uma musicalidade própria. De Joaquim Espadinha (1875-1951), pequeno agricultor alentejano que tinha a instrução primária, ficou-nos felizmente um suporte escrito da sua poesia, que permitiu a organização deste livro. Há registo de décimas feitas ao longo de toda a sua vida e abarcando os mais diversos temas: crónica poética da aldeia, crítica social, despiques, o vinho, o amor e a morte. Nesta palestra, após uma breve introdução sobre o poeta e a sua obra, iremos embarcar no desafio de descobrir a matemática escondida na poesia: desde a própria estrutura das décimas, à referência a unidades de medida actuais e antigas, passando pelas técnicas agrícolas que implicam um conhecimento empírico da geometria.




20 DE MARÇO DE 2013 | Museu da Ciência - Coimbra | 15H00
PREGUNTAS DA ARITMÉTICA PORTUGUESA DE QUINHENTOS
Teresa Costa Clain, Universidade de Aveiro
Os tratados de aritmética publicados em Portugal no século XVI são textos de matemática com uma vocação prática e com o objetivo de responder às necessidades de formação profissional no mundo mercantil. As aritméticas comerciais tornaram-se também um depósito e um vetor de difusão de um importante conjunto de problemas, que viriam a marcar a história do saber durante séculos.

PORTUGAL E A MEDIDA - REFLEXOS NOS PRIMEIROS TRATADOS DE ARITMÉTICA
Fátima Regina Duarte, Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Castelo Branco
Quando, em 1519, se publica em Portugal o Tratado da Prática d’Arismética de Gaspar Nicolas já estava estabelecido, pela primeira vez e como critério único para todo o reino, o uso dos padrões de Lisboa  para a medição de comprimentos,  massas e  volumes. Ainda que as unidades, múltiplos e submúltiplos estejam relacionados de forma clara, subsiste durante muito tempo, e em muitas situações, a falta de uniformidade e com ela os proveitos comerciais e sociais.

Exposição Interactiva Problemas com Conta, Peso e Medida: Apoio à Exploração do Friso Histórico e Proposta de uma Resolução Manipulativa dos Problemas.


Está disponível para requisição (
Escola Superior de Educação - Instituto Politécnico de Castelo Branco) uma exposição interactiva que propõe a resolução de problemas matemáticos históricos, relativos a cinco grandezas físicas, por recurso a unidades de medida antigas. Para além dos problemas, também se apresenta um friso histórico em que se apresenta a evolução das unidades de medida, ao longo dos séculos da nacionalidade portuguesa. São indicadas propostas manipulativas e de lápis e papel de resolução dos problemas. Também para o friso histórico, é indicada uma proposta de exploração.




6 DE DEZEMBRO DE 2012 | Museu da Ciência - Coimbra |18H00
Apresentação do livro CONTAS X CONTOS X CANTOS E QUE MAIS CUMPLICIDADES ENTRE LITERATURA E MATEMÁTICA
Ana Paula Guimarães, IELT - Universidade Nova de Lisboa e Adérito Araújo, Departamento de Matemática da FCTUC


INSTITUIÇÕES PARCEIRAS:


Associação de Professores de Matemática
Instituto de Educação e Cidadania
APPACDM de Coimbra
CES - Centro de Estudos Sociais
Associação LUDUS
Projecto STOL (CBMA - Centro de Biologia Molecular e Ambiental)
Biblioteca Escolar Pedro da Fonseca,  Agrupamento de Escolas de Proença-a-Nova (Castelo Branco)
Associação Atractor

Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal